quarta-feira, 2 de setembro de 2015

DICAS GEOGRAFIA UERJ EXAME QUALIFICAÇÃO

A análise da distribuição de questões das últimas provas da UERJ permitiu agrupá-las em quatro temas predominantes: Geografia PolíticaPopulaçãoIndústria e Sociedade.
Geografia Política” aborda temas como a Guerra Fria, a geopolítica da Nova Ordem Mundial e conflitos contemporâneos envolvendo países distintos ou guerras civis. São questões que muitas vezes buscam relacionar fenômenos em tempos ou espaços diferentes.
As questões de “População” tendem a ser mais conceituais. Os indicadores demográficos são utilizados por para análises e perguntas sobre a correlação entre causas e conseqüências para a variação dos números dos mesmos. Migrações internas e movimentos populacionais entre países também são temas recorrentes. É preciso sempre ter bastante atenção aos números e às demais informações das pirâmides etárias para que os detalhes sejam todos percebidos.
O tema “Indústria” busca constantemente expor características de cada fase do desenvolvimento industrial, questionando a (des)continuidade de cada meio de produção na dinâmica socioespacial mundial. É importante conhecer as diferenças e rupturas entre cada Revolução Industrial, analisando o contexto sociopolítico dos períodos, e não somente o aspecto da organização fabril.
Sob o tema “Sociedade” se destaca a relação interdisciplinar com a história e sociologia, em assuntos como movimentos sociais, questões de gênero, raça etc Recentemente, muitas provas da UERJ têm buscado questões relacionadas à legislação política brasileira.

TÓPICOS QUENTES
- RIO, 450 ANOS - Estudar Reformas Urbanas (Pereira Passos, Rio Cidade, Favela Bairro, Porto Maravilha)
- Rock in Rio 30 anos  - Expansão Urbana para Zona Oeste do Rio de Janeiro (Especulação Imobiliária - BRT, VLT)
- Baia de Guanabara - 

Das 90 toneladas de lixo que a Baía de Guanabara recebe diariamente, apenas 7,5% são recolhidos

- Pepe Mujica ex presidente do Uruguai .

O ex-presidente disse que as prisões ajudam a multiplicar as deformações sociais e que narcotráfico redefiniu os limites moral da violência.
"O cárcere deveria ser recuperador. Mas a prisão só não ajuda a superar as deformações sociais, como as multiplicam. Não creio que o caminho de intensificar as penas ajudem porque o que temos para oferecer é muito pior. O narcotráfico trouxe uma estrutura redefiniu os limites moral da violência. Eu creio que esta é uma das piores ofensas da civilização humana até hoje. Não há dúvidas de que é uma questão que merce ser repensada", disse Mujica.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Fim do Embargo dos EUA a Cuba


Em um anúncio histórico, o presidente cubano Raúl Castro e o norte-americano Barack Obama disseram nesta quarta-feira (17) que Estados Unidos e Cuba vão retomar as relações diplomáticas após mais de 50 anos, mas o embargo comercial à ilha ainda continuará. O fim do bloqueio oficial será discutido pelo Congresso norte-americano.

Os dois países não se relacionavam desde 1962 - mantendo apenas contatos de interesse de nível menor desde 1977. O anúncio acontece junto com outras medidas de confiança entre os "inimigos", incluindo a libertação do americano Alan Gross em Cuba e de três cubanos presos nos EUA.
O embargo que os EUA mantêm contra Cuba impede a maioria das trocas comerciais. Através de duas leis, uma de 1992 e outra de 1996, Washington proíbe envio de alimentos ao país caribenho (exceto em casos de ajuda humanitária) e torna passível de punição judicial empresas nacionais e estrangeiras que tenham relações financeiras com a ilha.

Há também uma exigência de uma licença de viagens para a ilha, embora o governo Obama tenha suavizado as restrições para programas acadêmicos, religiosos ou culturais a partir de 2009.
Desde então, uma média de 350 mil cubanos-americanos viajam a Havana a cada ano, segundo estimativas do setor turístico, enquanto 100 mil norte-americanos vão anualmente à ilha em grupos organizados com permissões especiais.

Comunismo

O embargo econômico norte-americano a Cuba existe de forma ampla desde 1962. As primeiras medidas começaram antes mesmo, em 1960 - um ano após Fidel castro tomar o poder e um ano depois do nascimento de Barack Obama, segundo apontou a revista 'The Economist'.
O embargo é renovado anualmente por uma legislação que data de 1917 chamada Lei de Comércio com o Inimigo. Ela deu origem, em 1963, ao embargo contra a ilha comunista, conhecido oficialmente como "Regulação de Controle dos Bens Cubanos".
Os obstáculos ao comércio e às relações econômicas entre os dois países foram adotados pelos EUA após a adesão de Cuba ao comunismo.

Fonte: G1

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/12/entenda-o-embargo-dos-eua-cuba.html

O Geoloucura Voltou!!!




Faaaala galera depois de muito tempo sem postar nada, volto com o blog em 2015. Nesse período de inatividade trabalhei muito em outros projetos, mas a saudade e a vontade fizeram a diferença. Percebi que nesse longo período muita coisa mudou por aqui: novos recursos, novas mídias, a coisa vai ficar boa. Espero que gostem.

Um abraço do Professor Victor Coutinho Machado

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

O COMPLEXO REGIONAL DO NORDESTE

a) A zona da mata
É a faixa litorânea de planícies que se estende do Rio Grande do Norte até o sul da Bahia. As chuvas são intensas e há duas estações bem definidas: o verão seco e o inverno chuvoso.
Na época colonial, instalou-se nesse área o empreendimento açucareiro escravista. As condições ecológicas são ideais para o cultivo da cana. Os solos, férteis e escuros, conhecidos como massapê, cobrem os vales dos rios, que ficaram conhecidos como "rios do açúcar". Vários desses rios são temporários, pois suas nascentes localizam-se no interior do semi-árido.
No início da colonização, a Zona da Mata não era dominada completamente pelas plantações de cana. A população das cidades e das fazendas necessitava de alimentos. Por isso, uma parte das terras ficava reservada para culturas de milho, mandioca, feijão e frutas. Também existiam pastagens para a criação de gado. Essas terras eram os tabuleiros, áreas um pouco mais elevadas situadas entre os vales de dois rios.
Como os solos dos tabuleiros são menos úmidos e mais pobres que o massapê, não eram usados para o plantio da cana. Assim, inicialmente, toda a produção agrícola e até a pecuária localizavam-se na faixa úmida do litoral, onde se instalaram sítios familiares produtores de alimentos e fazendas de gado.
Mas a produção de cana, crescia, à medida que aumentavam as exportações de açúcar para a Europa. As sesmarias se dividiam entre os herdeiros dos primeiros proprietários. Cada um deles criava novos engenhos, que necessitavam de mais cana. Depois, os sítios foram comprados pelos fazendeiros e as culturas de alimentos foram substituídas por novas plantações de cana.
Muita coisa mudou na Zona da Mata desde a época colonial. A escravidão deu lugar ao trabalho assalariado dos bóias frias. Os antigos engenhos foram substituídos por usinas de açúcar e álcool. Mas a cana permaneceu como produto principal da faixa litorânea do Nordeste.
O principal motivo dessa permanência esta na força política dos proprietários de usinas e fazendas. Durante o século XX, a produção de cana, açúcar e álcool do Centro-Sul evoluiu tecnicamente, superando a produção da Zona da Mata. Mas os usineiros sempre conseguiram ajuda do governo federal ou dos governos estaduais, sob a forma de empréstimos, perdão de dívidas ou garantia de preços mínimos. Dessa forma, impediram a diversificação da agricultura do litoral nordestino.
Isso não significa que a cana seja a única cultura da Zona da Mata. No litoral da Bahia, principalmente na área do Recôncavo Baiano, nas proximidades de Salvador, aparecem importantes culturas de tabaco. No sul da Bahia, na área das cidades de Ilhéus e Itabuna, concentram-se as fazendas de cacau.
Além disso, a produção de frutas vem adquirindo importância na Zona da Mata. Há várias frutas nativas do Nordeste - como o caju, o cajá, a mangaba e a pitanga - que servem para fazer deliciosos sucos e doces. Outras frutas, provenientes das áreas tropicais do Oriente - como a graviola, a jaca e a manga - adaptaram-se muito bem aos climas e solos nordestinos.
b) O Agreste
É uma faixa de transição ecológica entre a Zona da Mata e o Sertão nordestino. De largura aproximadamente igual a da Zona da Mata, corre paralelamente a ela, do Rio Grande do Norte ao sul da Bahia. Embora, como no Sertão, predomine o clima semi-árido, as secas do Agreste raramente são tão duradouras e os índices pluviométricos são maiores que os registrados no Sertão.
Na verdade, grande parte do Agreste corresponde ao planalto da Borborema, voltada para o oceano Atlântico, recebe ventos carregados de umidade que, em contato com o ar mais frio, provocam chuvas de relevo. Na encosta oeste do planalto, as secas são freqüentes e a paisagem desolada do Sertão se torna dominante.
O povoamento do Agreste foi conseqüência da expansão das plantações de cana da Zona da Mata. Expulsos do litoral, os sitiantes e criadores de gado instalaram-se nas terras do interior, antes ocupadas por indígenas. Dessa forma, o Agreste transformou-se em área produtora de alimentos. O Agreste abastecia a Zona da Mata de alimentos e esta por sua vez a Europa exportando açúcar.
Após o fim da escravidão, as plantações canavieiras passaram a utilizar trabalhadores temporários, empregados durante a época da colheita. O Agreste passou a fornecer esses trabalhadores: sitiantes e camponeses pobres que deixam a sua terra nos meses de safra (transumância). Enquanto os homens ganham algum dinheiro na colheita, as mulheres e os filhos permanecem cuidando da lavoura doméstica.
Enquanto a Zona da Mata é uma área monocultora, o Agreste é uma área policultora, já que seus sítios cultivam diversos alimentos e criam gado para a produção do leite, queijo e manteiga. Por isso mesmo, uma sub-região depende da outra, estabelecendo uma forte interdependência. Assim, a Zona da Mata precisa dos alimentos e dos trabalhadores do Agreste e este precisa dos mercados consumidores e dos empregos da Zona da Mata.
As diferenças entre as duas sub-regiões não estão apenas naquilo que produzem, mas em como produzem.
Na Zona da Mata, as sesmarias açucareiras da época colonial foram se dividindo e deram origem a centenas de engenhos. Alguns nem faziam açúcar, apenas rapadura e aguardente. Mesmo assim, as fazendas resultantes não se tornaram pequenas propriedades, uma vez que os proprietários precisavam manter uma área suficiente para abastecer os engenhos.
No Agreste, ao contrário, as propriedades foram se subdividindo cada vez mais, já que não cultivavam cana nem tinham engenhos.
Com a sucessão de diversas gerações, as propriedades do Agreste atingiram um tamanho mínimo, suficiente apenas para a produção dos alimentos necessários para a família, ou seja, para a prática da agricultura de subsistência.
A pobreza do Nordeste está associada a esse contraste do mundo rural. De um lado, as usinas e fazendas açucareiras da Zona da Mata concentram a riqueza nas mãos de uma pequena parcela de proprietários. De outro, os minifúndios do Agreste mantém na pobreza as famílias camponesas, que não tem terras e técnicas suficientes para praticar uma agricultura empresarial.
Nos últimos anos vem se dando um processo de concentração de terras no Agreste, em virtude principalmente, da expansão de propriedades de criação de gado para corte. 
c) O Sertão
Mais de metade do complexo regional nordestino corresponde ao Sertão semi-árido. A caatinga, palavra de origem indígena que significa "mato branco", é a cobertura dominante e quase exclusiva na imensa área do Sertão.
A ocupação do Sertão, ainda na época colonial, se deu pela expansão das áreas de criação de gado. A pecuária extensiva representa, até hoje, a principal atividade das grandes propriedades do semi-árido.
No século XVIII, a Revolução Industrial estava em marcha na Inglaterra. As fábricas de tecidos produziam cada vez mais, obtendo lucros fabulosos e exigindo quantidades crescentes de matérias-primas. Por essa época, começou a aumentar o plantio de algodão no Sertão nordestino. Vender algodão para os industriais ingleses tinha se tornado um ótimo negócio.
No século XIX, a Guerra Civil entre nortistas e sulistas nos EUA desorganizou as exportações de algodão estadunidense. No Nordeste, os pecuaristas do Sertão passaram a cultivar o algodão em uma parte das suas terras e o Brasil tomou mercados antes controlados pelos EUA. Os plantadores de algodão do Sertão tornaram-se ricos fazendeiros, que disputavam o poder e a influência com os usineiros da Zona da Mata.
No interior do Sertão definiu-se uma zona na qual as precipitações pluviométricas são mais baixas, denominada "Polígono das secas". Porém não é verdade que as secas se limitem ao Polígono: muitas vezes, elas atingem todo o Sertão e até mesmo o Agreste. Também não é verdade que todos os anos existem secas no Polígono.
No Sertão existiram secas históricas que duraram vários anos, provocaram grandes tragédias sociais até hoje lembradas.
As grandes secas ocorreram após vários anos de chuvas irregulares. A primeira grande seca historicamente documentada ocorreu no período de 1721 a 1727. Um historiador, Tomás Pompeu de Assis Brasil, escreveu que "1722 foi o ano da grande seca, em que não só morreram numerosas tribos indígenas, como o gado e até as feras e aves se encontravam mortas por toda a parte."
O jornalista pernambucano Carlos Garcia explica o mecanismo das secas: " A grande seca de 1932 começou realmente em 1926, quando as chuvas foram irregulares, irregularidade que se acentuou a cada ano seguinte. Em 1932, caíram chuvas finas em janeiro, mas cessaram totalmente em março. A estiagem de 1958 também foi uma grande seca, o que indica a ocorrência de um ciclo de anos secos a cada 26 anos, aproximadamente. Essa periodicidade é que leva os sertanejos a afirmar que cada homem tem de enfrentar uma grande seca em sua vida." (O que é nordeste brasileiro? São Paulo, Brasiliense, 1984, p.64.)
Além das grandes secas, ocorrem também secas localizadas, que atingem pequenos trechos de um ou outro estado nordestino mas causam muitos estragos. Geralmente elas são provocadas pela falta de boas chuvas nas semanas seguintes ao plantio do milho, do feijão e do algodão.
O plantio é feito logo depois das primeiras chuvas do verão. A germinação e o crescimento das plantinhas dependem da continuidade das chuvas, na quantidade exata. Se as chuvas se reduzem, o calor e a insolação matam as lavouras que acabaram de germinar. Quando volta a chover, o camponês faz novas plantações. Mas, se as chuvas cessam novamente começa a tragédia.
A essa altura, o camponês não tem mais dinheiro ou crédito nos bancos. Não consegue, por isso, recomeçar o plantio. O milho e o feijão guardados do ano anterior são consumidos. Sem dinheiro e sem alimentos, resta esperar a ajuda do governo ou então tomar rumo das cidades. Assim, o sertanejo vira retirante.
d) O Meio-norte
Abrange os estados do Piauí  e o Maranhão. Do ponto de vista natural, é uma sub-região entre o  Sertão semi-árido e a Amazônia equatorial.
Essa sub-região apresenta clima tropical, com chuvas intensas no verão. No sul do Piauí e do Maranhão, aparecem vastas extensões de cerrado. No interior do Piauí existem manchas de caatinga. No oeste do Maranhão, começa a floresta equatorial. Por isso, nem todo o Meio-Norte encontra-se no complexo regional nordestino: a parte oeste do Maranhão encontra-se na Amazônia.
O Meio-Norte exibe três áreas diferentes, tanto pela ocupação como pela paisagem e pelas atividades econômicas.
O sul e o centro do Piauí, dominados pela caatinga, parecem uma continuação do Sertão. Essa área foi ocupada pela expansão das fazendas de gado, que vinham do interior de Pernambuco e do Ceará. A atividade pecuarista foi a responsável pela fundação de Teresina, a única capital estadual do Nordeste que não se localiza no litoral.
O Vale do Parnaíba é uma área especial. Recoberto pela Mata dos Cocais, tornou-se espaço de extrativismo vegetal do óleo do babaçu e da cera da carnaúba. Essas palmeiras não são cultivadas. A exploração dos seus produtos consiste apenas no corte das folhas da carnaúba e em recolher os cocos do babaçu que despencam da árvore.
Nas áreas úmidas do norte do Maranhão, situada já nos limites da Amazônia, formaram-se fazendas policultoras que cultivam o arroz como principal produto. As chuvas fortes e as áreas semi alagadas das várzeas dos rios Mearim e Pindaré apresentam condições ideais para a cultura do arroz.


O COMPLEXO REGIONAL DA AMAZÔNIA


A Amazônia compreende o território dos Estados de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá e Tocantins, entrando pelo Maranhão e o Mato Grosso. É a área que, a partir da década de 1970, integra-se ao mercado nacional como uma grande fronteira de recursos recursos, isto é, como área de fornecimento de matérias-primas que provêm da agropecuária e da mineração.
A ocupação do território amazônico ainda está se processando. Essa ocupação busca integrar definitivamente a área à economia do Centro-Sul e mesmo à economia internacional, graças aos grandes investimentos de capital em projetos de mineração, agropecuários e industriais.A Amazônia passa a ser, deste modo, uma fronteira que vai sendo expandida, e uma reserva de recursos que passa a ser utilizada. Entre as principais medidas adotadas para tornar possível essa integração,destacamos a construção de rodovias, forma mais visível dessa integração. Até a década de 50, a economia da Amazônia convergia para Belém, que atuava como o grande pólo regional por meio de uma rede hidrográfica natural.
A construção das rodovias Belém-Brasília, Brasília-Acre, Cuiabá-Santarém e Porto Velho-Manaus penetraram a região, acelerando a integração da Amazônia ao Centro-Sul.Os capitais públicos e privados investidos na construção de hidrelétricas como Tucuruí, na instalação de núcleos de mineração como Carajás, e de pólos industriais como a Zona Franca de Manaus, procuram integrar a região à economia do país de forma mais efetiva - como fornecedora de produtos semi processados ou processados para os grandes mercados consumidores internos ou externos, e também como mercado consumidor dos produtos do Centro-Sul.Os incentivos fiscais da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) permitiram que as grandes empresas nacionais e transnacionais adquirissem enormes propriedades de terra, cujo aproveitamento de recursos naturais - os minérios, a madeira e a própria terra - tem provocado graves danos ambientais. A fronteira amazônica tem atraído, nas últimas décadas, importantes fluxos de migrantes. Duas correntes são identificadas: os que procedem do Centro-Sul, devido à modernização da agricultura, e que vão para Mato Grosso, Rondônia e mesmo para o Acre; e os que procedem do Nordeste, que se dirigem ao Pará e Tocantins, e que formam a Amazônia Oriental. A ocupação da nova fronteira, em grande medida desordenada, provoca graves conflitos sociais. Os diferentes contendores lutam principalmente pela posse da terra e pelo uso da floresta.Pouco a pouco, vai ganhando a opinião pública o movimento que propõe a necessidade de se ocupar a Amazônia de forma mais racional, preservando o equilíbrio ecológico com ações eficientes de manutenção da qualidade ambiental.O que se propõe é uma ocupação mais cuidadosa, visando um desenvolvimento equitativo e sustentável para a maior floresta pluvial do planeta.


O COMPLEXO REGIONAL CENTRO - SUL


O Centro-Sul, se estende de Minas Gerais até o Rio Grande do Sul, englobando também o Mato Grosso do Sul, Goiás e o Distrito Federal.
Trata-se de uma área do território brasileiro onde o processo de industrializa ção, acelerado a partir de meados do século XX, se deu com maior intensidade. Isso levou à sua diferenciação em relação ao restante do país.
O Centro-Sul é a área de maior capacidade produtiva. Nessa região ocorrem, com maior intensidade, os fluxos de circulação de mercadorias, pessoas, capitais e informações. Nela se encontram os mais importantes centros de decisões econômicas e políticas do país.
A diferenciação do Centro-Sul se dá por meio de alguns aspectos relevantes. Uma primeira característica seria a grande concentração industrial, com destaque para cinco grandes áreas industriais mais ou menos diversificadas:
ÁREAS GEOECONÔMICAS DO BRASIL
  • a área industrial que tem seu centro em São Paulo e se estende até o Rio de Janeiro;
  • a zona metalúrgica em torno de Belo Horizonte;
  • a área industrial de Curitiba;
  • o nordeste de Santa Catarina, no vale do Itajaí;
  • a área industrial que vai de Porto Alegre até Caxias do Sul.
O Centro-Sul é o principal cinturão agroindustrial do país. Nele encontramos áreas nas quais ocorreu uma verdadeira industrialização da agricultura,com uso de máquinas, adubos e fertilizantes, além de especialização da produção nas chamadas empresas rurais.O Centro-Sul também possui a melhor infra-estrutura viária do país. A intensa circulação de produtos e de pessoas, feita por meio de uma densa rede rodoviária e de ferrovias, revela a forte integração e o dinamismo de sua área interna. Assim como sua articulação com as demais regiões do país.Devido ao seu maior desenvolvimento econômico, é no Centro-Sul que ocorrem os mais elevados níveis de renda do país. Há um forte contraste entre a renda média de um habitante do Centro-Sul e a de um habitante do Nordeste ou da Amazônia.
No entanto, se existem zonas com níveis de modernização e de vida elevados caso de algumas cidades no interior de São Paulo, no Vale do Itajaí, em Santa Catarina, ou no norte do Paraná -, existem também verdadeiros “bolsões” de pobreza. É o caso do Vale do Ribeira de Iguape, das cidades-satélites de Brasília e, principalmente, da periferia dos grandes centros urbanos. Mesmo nas áreas mais ricas o contraste entre “lugares de ricos” e “lugares de pobres” é nítido, marcante, e quase sempre assustador. 

sábado, 8 de dezembro de 2012

CURSO MORSE (ALCÂNTARA) PREPARATÓRIO CONCURSO SOLDADO DA PMERJ 2013


CURSO MORSE - ALCÂNTARA (3245-4488)
PREPARATÓRIO SOLDADO DA PMERJ 2013

Militares adoram tradições e o Curso Morse (Alcântara), consolidou nos últimos anos a posição no Leste Fluminense de líder em aprovações no Concurso para SOLDADO DA PMERJ, virou tradição!

No dia 07 de Janeiro de 2013, vamos iniciar o melhor curso preparatório com uma nova metodologia. É importante o candidato (a) iniciar imediatamente seus estudos, garantindo sua vaga em uma das turmas do Curso Morse.

TURMAS AVANÇADAS

Indicada para candidatos que já estão se preparando para o Concurso Soldado da PMERJ baseada em Revisões, Exercícios e Simulados

TURMAS BÁSICAS

Indicada para os candidatos que vão iniciar seus estudos  para o Concurso Soldado da PMERJ baseada no conteúdo do Edital e Exercícios.

PROJETO LÍNGUA PORTUGUESA E REDAÇÃO (SÁBADOS)

Marca do Curso Morse desde 2010 a prova de Língua Portuguesa e Redação terá um projeto especial aos sábados, visando as primeiras colocações.

O CURSO MORSE OFERECE

·         Salas climatizadas
·         Material didático (apostilas exclusivas)
·         Suporte on line (material extra)
·         Turmas em horários flexíveis ( MANHÃ - NOITE - SÁBADOS)
·         Simulados
·         Orientação para o TAF (Teste de Avaliação Física)

 RUA YOLANDA SAAD ABUZAID, NÚMERO 150, SALAS 702, 703 ALCÂNTARA TRADE CENTER (PRÉDIO DO RELÓGIO) TEL 3245-448

sábado, 20 de outubro de 2012

PAI VICTOR REVELA 10 TEMAS QUE PODEM SER COBRADOS NA PROVA DE CIÊNCIAS HUMANAS DO ENEM


1) Rio+20 Realizada no Rio de Janeiro, em junho, a Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável teve a participação de 188 países. O propósito da Rio+20 era formular um plano para que a humanidade se desenvolvesse de modo a garantir vida digna a todas as pessoas, administrando os recursos naturais para que as gerações futuras não fossem prejudicadas.

2) Código Florestal Lei que regulamenta a exploração das terras e estabelece onde a vegetação nativa deve ser mantida. Aguarda ser sancionada pela presidente Dilma Rousseff.

3) Lei das cotas O governo criou lei que vai garantir 50% das vagas das universidades federais para candidatos que fizeram o todo o ensino médio em escolas públicas.

4) Primavera árabe Conjunto de manifestações realizadas contra os regimes autoritários e centralizadores que ocorrem em diversos países do Oriente Médio em 2010 e 2011.

5) Conflitos na Síria Manifestações contra o governo de Bashar al-Assad começaram em março de 2011, com represálias violentas e conflitos diplomáticos com a Turquia.

6) Guerra cambial 
Disputa entre os países envolvendo suas moedas.Países emergentes estariam "forçando" a desvalorização de suas moedas para beneficiar seus ganhos com exportação.

7) Aziz Ab'Saber Morto em março deste ano, Aziz Nacib Ab’Saber fez dos estudos profundos sobre a geografia do país as suas armas na defesa dos recursos naturais do país.

8) Semana de 1922 
A Semana de Arte Moderna é um terma recorrente nas provas de vestibulares e no Enem. Movimento completou 90 anos em 2012.

9) Impeachment de Collor
 O movimento político que culminou com a saída do presidente Fernando Collor de Mello em 1992 completou 20 anos em 2012.

10) Paraguai 
O presidente Fernando Lugo foi destituído do cargo em um processo de impeachment. Ele disse ter sido vítima de um golpe de estado.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

EXERCÍCIOS COMPLEXOS REGIONAIS BRASILEIROS



1. Entre as décadas de 1950 e 1960 foram criados órgãos de planejamento regional destinados a estimular o desenvolvimento socioeconômico das regiões brasileiras. Grande parte desses órgãos foi extinta nas décadas posteriores por não atenderem aos objetivos propostos. Quais foram as ações positivas desses órgãos de planejamento e quais as principais críticas feitas a eles?
    
Resposta
Entre as ações positivas destacam-se os projetos de irrigação do semiárido nordestino. Porém, diante do montante de verbas destinadas pelo poder público a tais órgãos, poucas ações foram realizadas com sucesso. Houve muita corrupção, desvios de verbas e benefícios concedidos às grandes empresas em detrimento das pequenas e médias. Tais problemas culminaram na extinção desses órgãos.

2. Por que a regionalização do Brasil feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apesar de ser a mais utilizada, não é considerada atualmente como a divisão mais apropriada para compreender os aspectos naturais e socioeconômicos do território brasileiro?
    
Resposta
De acordo com a divisão regional proposta pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os limites de cada região coincidem com as fronteiras dos estados, porém, a realidade nem sempre obedece às separações administrativas. Além disso, as regiões são muito grandes, ofuscando, muitas vezes, características naturais e socioeconômicas relevantes que ocorrem em uma parcela menor do território.
As transformações naturais, sociais e econômicas ocorridas no território fizeram com que a divisão regional do IBGE se tornasse ultrapassada diante da realidade do país. O próprio IBGE admite tal fato.

3. Quais são as regiões brasileiras de acordo com os critérios geoeconômicos? Quais são as principais vantagens desse tipo de regionalização?
    
Resposta
O território brasileiro é dividido em três regiões geoeconômicas: Amazônia, Nordeste e Centro-Sul. Essa divisão é mais adequada para compreender a diversidade regional do Brasil, possibilita estabelecer as relações e a interdependência entre as diversas porções do território brasileiro e ajusta-se melhor ao processo de formação histórico-territorial do país.

4. Por ser considerada a região geoeconômica mais desenvolvida e industrializada do país, parte da população de alguns dos seus estados defendem a proposta de separação destas unidades da federação do restante do país.
a) De que região geoeconômica está se falando?
b) Quais são os estados que compõem essa região? De acordo com a ideia dos movimentos separatistas, quais desses estados se separariam do Brasil para formar um país independente? 
c) Quais são as justificativas alegadas para a separação de tais estados do restante do Brasil?

a) Trata-se da região Centro-Sul.
b) A região Centro-Sul é composta por Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal e partes dos estados de Minas Gerais, Mato Grosso e Tocantins. Desses estados, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e, para alguns, São Paulo se separariam do Brasil, segundo os adeptos dos movimentos separatistas.
c) A defesa de tais ideias decorre das desigualdades regionais existentes no país. A separação dos estados do Sul do Brasil, com a inclusão ou não de São Paulo, levaria à formação de um país desenvolvido, com padrões de vida comparáveis aos países da Europa Ocidental. Com a efetivação desse processo, os recursos econômicos captados seriam investidos nessa região, e não em outros estados da federação.

5. Alguns autores defendem a teoria de que as disparidades regionais no Brasil resultam de um “colonialismo interno”, em que as áreas industrializadas exerceriam o papel de metrópoles e as áreas mais pobres, o de colônias. Explique as ideias favoráveis e contrárias a essa teoria.
    
Resposta
Os defensores dessa teoria argumentam que existe uma relação de exploração de umas regiões por outras, resultando no desenvolvimento de uma área à custa do atraso de outras, que atuam como fornecedoras de matéria-prima e mão de obra barata para as áreas mais desenvolvidas do país. Outros argumentam que tal teoria é equivocada em virtude da coexistência, em países ricos e pobres, de áreas com graus variados de desenvolvimento econômico e social.

6. Por que o Nordeste brasileiro é considerado uma “região-problema”?
    
Resposta
Porque é considerada como uma região decadente, com graves problemas sociais e econômicos em seu território, necessitando, portanto, de ajuda governamental para se desenvolver.

7. Quais são as principais atividades econômicas desenvolvidas na Amazônia? Por que o atual processo de ocupação e desenvolvimento econômico da região é predatório?
    
Resposta
Na Amazônia se desenvolvem atividades ligadas à agropecuária, ao extrativismo vegetal, à mineração e à atividade industrial. Tais atividades são consideradas predatórias por causa dos impactos sociais e ambientais que provocam, como a destruição da floresta e da fauna, o extermínio de nações indígenas, a exploração da mão de obra e os conflitos entre os pequenos proprietários de terras e os posseiros pela posse e exploração dos recursos existentes no território.

8. Apesar de possuírem graus de desenvolvimento social e econômico diferenciados, as três regiões geoeconômicas do Brasil possuem uma série de problemas em comum que dificultam um desenvolvimento mais igualitário do país. Quais são esses problemas? Em sua opinião que estratégias amenizariam ou promoveriam a resolução de tais problemas?
    
Resposta
Entre os principais problemas comuns às regiões geoeconômicas existentes no Brasil destacam-se: a concentração de terras e de renda nas mãos de poucos, a corrupção, o mau uso dos recursos públicos, os altos níveis de criminalidade e a precariedade dos serviços sociais, como educação, saúde e moradia.
Entre as estratégias que podem ser elencadas pelos alunos destacam-se: a ampliação dos investimentos públicos na área social, o combate à corrupção, a maior participação e atuação da sociedade civil nos debates e nas decisões políticas quanto ao uso e destinação dos recursos públicos, entre outras.

9. As imagens abaixo representam duas áreas localizadas no Sertão nordestino, atingido periodicamente pelas secas. Explique os motivos da existência de realidades tão contrastantes em uma região caracterizada por aspectos naturais semelhantes.
Antônio Gaudério / Folha Imagem
Criança brinca em área afetada pela seca no sertão de Pernambuco
.
Márcio Garcez / Folha Imagem
Sistema de irrigação, em Canindé de São Francisco (SE). Foto tirada em 18/11/2004.
    
Resposta
A existência de realidades tão contrastantes na mesma região ocorre em virtude da chamada “indústria da seca”. Essa indústria consiste no desvio de verbas públicas destinadas à construção de açudes nas áreas carentes atingidas pelas secas para o desenvolvimento de projetos de irrigação nas grandes propriedades rurais pertencentes a uma elite política e econômica da região. Tais pessoas se aproveitam do fenômeno das secas para captar investimentos públicos aplicados nas grandes propriedades rurais, dificultando, dessa forma, a resolução do problema.

10. A maior parte da infraestrutura de transportes no Brasil se concentra na região Centro-Sul. Que fatores são responsáveis pela distribuição geográfica desigual da rede de transportes existente no Brasil?
    
Resposta
A rede de transportes existente no Brasil se concentra na região Centro-Sul em virtude da concentração populacional principalmente nas metrópoles nacionais e regionais. A maior parte dos estabelecimentos industriais e agropecuários também está localizada nessa região.


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

DICAS VESTIBULAR UERJ 2013

Quando chega a hora do vestibular é sempre a mesma coisa. Os alunos não param de perguntar as matérias que vão cair nesse ou naquele vestibular. Então hoje estou postando as dicas dos assuntos que mais apareceram nas últimas provas dentro de cada disciplina.
Em geografia como sempre ler últimas notícias sobre a crise global, seus desdobramentos e as medidas adotadas pelos governos para solucioná-la. A crise do liberalismo pode, inclusive, ser utilizada em questões interdisciplinares com a história. Além disso,destaco também a possibilidade de aparecem aspectos do estado e do município do Rio de Janeiro, conceitos demográficos (população). Além dos resultados da Rio + 20.

Em relação a história, o professor Fábio Paiva do Curso Morse lembrou que nos últimos anos a prova tem sido majoritariamente de geografia. Mesmo assim, sugeriu que os alunos dessem uma rápida estudada em três assuntos: Era Vargas(1930/45) e ditadura militar (1964/85) no caso de Brasil e guerra fria (história geral) com possíveis referências interdisciplinares à geopolítica atual, além do pioneirismo inglês na indústria, muito lembrado na abertura dos jogos olímpicos de Londres.
**INGLATERRA É O ASSUNTO**

Falando sobre a interpretativa prova de Língua Portuguesa a professora Kellen Lemos foi direta: - Pode colocar para os alunos estudarem “valor semântico das conjunções” e “sofisma”.

Em biologia o professora Carla Silva sugeriu que os alunos estudassem “metabolismo energético”, “ácidos nucléicos” e ecologia. Além disso, pediu para que os alunos tivessem muito cuidado nas interpretações gráficas.
Estequiometria, deslocamento de equilíbrio químico, tabela periódica e propriedades das ligações químicas foram os assuntos listados pela nossa querida professora Viviane Teixeira (Química).

Já para a prova de física, o professor Thieres lembrou alguns assuntos que aparecem todos os anos: leis de Newton, energia mecânica e eletrodinâmica.
O professor Rachid de matemática pediu atenção especial em Progressão aritimética (PA), progressão geométrica (PG), áreas e volumes, análise combinatória e probabilidade são assuntos que, segundo ele, aparecem bastante.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

ENTREVISTA DEPUTADO ROMÁRIO


Nesse País  falta é conhecimento, pois, pela falta dele o POVO fica aprisionado!!!!!

Parte de entrevista do ROMÁRIO ao jornalista Cosme Rimoli – TV Record .
- Você foi recebido com preconceito em Brasília?
Olha, vou ser claro para quem ler entender como as coisas são. Há o burro, aquele que não entende o que acontece ao redor. E há o ignorante, que não teve tempo de aprender. Não houve preconceito comigo porque não sou nem uma coisa nem outra. Mesmo tendo a rotina de um grande jogador que fui, nunca deixei de me informar, estudar. Vim de uma família muito humilde. Nasci na favela. Meu pai, que está no céu, e minha mãe ralaram para me dar além de comida, educação. Consciência das coisas… Não só joguei futebol. Frequentei dois anos de faculdade de Educação Física. E dois de moda. Sim, moda. Sempre gostei de roupa, de me vestir bem. Queria entender como as roupas eram feitas. Mas isso é o de menos. O que importa é que esta sede de conhecimento me deu preparo para ser uma pessoa consciente… Preparada para a vida. E insisto em uma tese em Brasília, com os outros deputados. O Brasil só vai deixar de ser um país tão atrasado quando a educação for valorizadaO professor é uma das classes que menos ganha e é a mais importante. O Brasil cria gerações de pessoas ignorantes porque não valoriza a Educação. E seus professores. Não há interesse de que a população brasileira deixe de ser ignorante. Há quem se beneficie disso. As pessoas que comandam o País precisam passar a enxergar isso. A Saúde é importante? Lógico que é. Mas a Educação de um povo é muito mais.
Essa ignorância ajuda a corrupção? Por exemplo, que legado deixou o Pan do Rio?
Você não tenha dúvidas que a ignorância é parceira da corrupção. Os gastos previstos para o Pan do Rio eram de, no máximo, R$ 400 milhões. Foram gastos R$ 3,5 bilhões. Vou dar um testemunho que nunca dei. Comprei alguns apartamentos na Vila Panamericana do Rio como investimento. A melhor coisa que fiz foi vender esses apartamentos rapidamente. Sabe por quê? A Vila do Pan foi construída em cima de um pântano. Está afundando. O Velódromo caríssimo está abandonado. Assim como o Complexo Aquático Maria Lenk… É um escândalo! Uma vergonha! Todos fingem não enxergar. Alguém ganhou muito dinheiro com o Panamericano do Rio. A ignorância da população é que deixa essa gente safada sossegada. Sabe que ninguém vai cobrar nada das autoridades. A população não sabe da força que tem. Por isso que defendo os professores. Não temos base cultural nem para entender o que acontece ao nosso lado. E muito menos para perceber a força que temos. Para que gente poderosa vai querer a população consciente? O Pan do Rio custou quatro vezes mais do que este do México. Não deixou legado algum e ninguém abre a boca para reclamar.
Se o Pan foi assim, a Copa do Mundo no Brasil será uma festa para os corruptos…
Vou te dar um dado assustador. A presidente Dilma havia afirmado quando assumiu que a Copa custaria R$ 42 bilhões. Já está em R$ 72 bilhões. E ninguém sabe onde os gastos vão parar. Ningúem. Com exceção de São Paulo, Rio, Minas, Rio Grande do Sul e olhe lá…Pernambuco… Todas as outras sete arenas não terão o uso constante. E não havia nem a necessidade de serem construídas. Eu vi onze das doze… Estive em onze sedes da Copa e posso afirmar sem medo. Tem muita coisa errada. E de propósito para beneficiar poucas pessoas. Por que o Brasil teve de fazer 12 sedes e não oito como sempre acontecia nos outros países? Basta pensar. Quem se beneficia com tantas arenas construídas que servirão apenas para três jogos da Copa? É revoltante. Não há a mínima coerência na organização da Copa no Brasil.
– São Paulo acaba de ser confirmado como a sede da abertura da Copa. Você concorda?
Como posso concordar? Colocaram lá três tijolinhos em Itaquera e pronto… E a sede da abertura é lá. Quem pode garantir que o estádio ficará pronto a tempo? Não é por ser São Paulo, mas eu não concordaria com essa situação em lugar nenhum do País. Quando as pessoas poderosas querem é assim que funcionam as coisas no Brasil. No Maracanã também vão gastar uma fortuna, mais de um bilhão. E ninguém tem certeza dos gastos. Nem terá. Prometem, falam, garantem mas não há transparência. Minha luta é para que as obras não fiquem atrasadas de propósito. E depois aceleradas com gastos que ninguém controla.
- O que você acha de um estádio de mais de R$ 1 bilhão construído com recursos públicos. E entregue para um clube particular.
Você está falando do estádio do Corinthians, não é? Não vou concordar nunca. Os incentivos públicos para um estádio particular são imorais. Seja de que clube for. De que cidade for. Não há meio de uma população consciente aceitar. Não deveria haver conversa de politico que convencesse a todos a aceitar. Por isso repito que falta compreensão à população do que está acontecendo no Brasil para a Copa.
- A Fifa vai fazer o que quer com o Brasil?
Infelizmente, tudo indica que sim. Vai lucrar de R$ 3 a R$ 4 bilhões e não vai colocar um tostão no Brasil. É revoltante. Deveria dar apenas 10% para ajudar na Educação. Iria fazer um bem absurdo ao Brasil. Mas cadê coragem de cobrar alguma coisa da Fifa. Ela vai colocar o preço mais baixo dos ingressos da Copa a R$ 240,00. Só porque estamos brigando pela manutenção da meia entrada. É uma palhaçada! As classes C, D e E não vão ver a Copa no estádio.
O Mundial é para a elite. Não é para o brasileiro comum assistir.
- Ricardo Teixeira tem condições de comandar o processo do Mundial de 2014?
Não tem de saúde. Eu falei há mais de quatro meses que ele não suportaria a pressão. Ser presidente da CBF e do Comitê Organizador Local é demais para qualquer um. Ainda mais com a idade que ele tem. Não deu outra. Caiu no hospital. E ainda diz que vai levar esse processo até o final. Eu acho um absurdo.
- Muito além da saúde de Ricardo Teixeira. Você acha que pelas várias denúncias, investigações da Polícia Federal… Ele tem condições morais de comandar a organização Copa no Brasil?
Não. O Ricardo Teixeira não tem condições morais de organizar a Copa. Não até provar que é inocente. Que não tem cabimento nenhuma das denúncias. Até lá, não tem condições morais de estar no comando de todo o processo. Muito menos do futebol brasileiro…
Entrevista concedida ao repórter Cosme Rímoli, da TV Record.
A África apresentou há alguns meses atrás o resultado final da Copa do Mundo: deu prejuízo e grande. Agora é a vez do Brasil. Fifa, CBF, políticos e os empreiteiros vão ganhar muito dinheiro. E o povo? Nada como sempre!
Apenas terá a obrigação de contribuir para pagar a conta. 
Quem teve a idéia de promover, o evento em nosso país, alguém sabe?
O Brasil é uma farsa, como sempre irá jogar a sujeira para debaixo do tapete.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

CONCURSO CORREIOS

Após ter recebido sinal verde para contratar 9.904 novos funcionários por meio de autorização do Ministério do Planejamento, publicada no Diário Oficial da União na última quinta, dia 28, os Correios informaram que o novo concurso, cujo edital está programado para sair neste semestre, deverá ser para o preenchimento de 6.602 vagas em cargos dos níveis médio, médio/técnico e superior.
 
Pela autorização dada pelo Ministério do Planejamento, os Correios poderão preencher 3.302 vagas a partir deste mês, outras 3.301 a partir de 1º de janeiro e mais 3.301 a partir de 1º de abril de 2013. Segundo a Assessoria de Imprensa, dessa forma, a previsão é de que a primeira parcela seja utilizada para convocar aprovados da seleção realizada em 2011, que ainda está em validade, e as duas últimas para serem oferecidas no novo concurso.
 
Embora a previsão seja de 6.602 vagas para o concurso, esse quantitativo ainda poderá sofrer alguma alteração. No momento, a empresa está fazendo um redimensionamento das vagas, já que o pedido enviado ao Ministério do Planejamento foi de 13.727 contratações, porém foram autorizadas 9.904. Depois disso, a estatal vai trabalhar para escolher a organizadora e iniciar a elaboração do edital.Os Correios também já informaram que as vagas do novo concurso serão para localidades onde o cadastro de reserva da seleção realizada em 2011 já terminou ou está prestes a ser finalizado.

Já está definido que a maioria das vagas será para a área operacional, que possui maior demanda. Os cargos são carteiro, operador de triagem e transbordo e atendente comercial, todos de nível médio. Para esses funcionários, a remuneração é de  R$1.632,75, já incluindo cerca de R$550 de vale-alimentação e R$140 de cesta básica.
 
Além disso, haverá oportunidades para o nível médio/técnico, cujas carreiras são técnicos de operação e de atendimento e venda. Já para o superior, os cargos deverão ser os mesmos da última seleção, realizada em 2011 (enfermeiro do trabalho, engenheiro de segurança do trabalho, médico do trabalho, anlista de saúde em Medicina e Odontologia e analista de Correios, em diversas especialidades). Nesses casos, as remunerações são de R$2.367,13 e R$4.202,22, respectivamente, já com vale-alimentação e cesta básica. Os Correios ainda oferecem benefícios como vale-transporte, plano de saúde, plano medicamento e auxílio-creche, entre outros.

Último concurso - Na seleção de 2011, as disciplinas cobradas para os cargos de nível médio foram Português, Matemática e Informática. Os candidatos a carteiro e operador ainda passaram por uma avaliação de capacidade física laboral, com exercícios de barra fixa, corrida de 12 minutos (2.200 metros para homens e 1.800 para mulheres) e dinamometria (manual, escapular e dorsal).
Já os exames dos níveis médio/técnico e superior foram constituídos por questões de Conhecimentos Básicos (Língua Portuguesa, Informática, Inglês e Administração Pública) e Conhecimentos Específicos.
 

Nível médio: veja programa do último concurso
Para orientar interessados em concorrer aos cargos de carteiro, atendente comercial e operador de triagem e transbordo, FOLHA DIRIGIDA publica, a seguir, o programa da última seleção, realizada em 2011, e que, segundo especialistas, deve ser tomado como base de estudo para o novo concurso:
 
LÍNGUA PORTUGUESA: 1 Compreensão e interpretação de textos. 2 Ortografia oficial. 3 Acentuação gráfica. 4 Emprego das classes de palavras: nome pronome, verbo, preposições e conjunções. 5 Emprego do sinal indicativo de crase. 6 Sintaxe da oração e do período. 7 Pontuação. 8 Concordância nominal e verbal. 9 Regência nominal e verbal. 10 Significação das palavras. 11 Formação de palavras.

MATEMÁTICA: 1 Números relativos inteiros e fracionários, operações e propriedades. 2 Múltiplos e divisores, máximo divisor comum e mínimo múltiplo comum. 3 Números reais. 4 Expressões numéricas. 5 Equações e sistemas de equações de 1.o grau. 6 Sistemas de medida de tempo. 7 Sistema métrico decimal. 8 Números e grandezas diretamente e inversamente proporcionais. 9 Regra de três simples. 10 Porcentagem. 11 Taxas de juros simples e compostas, capital, montante e desconto. 12 Princípios de geometria: perímetro, área e volume.

INFORMÁTICA: 1 Conceitos básicos de computação. 2 Componentes de hardware e software de computadores. 3 Sistema operacional Windows (XP e VISTA). 4 Conhecimentos de Word, Excel, PowerPoint. 5 Internet: conceitos, navegadores, tecnologias e serviços.

FONTE FOLHA DIRIGIDA